Catedral Metropolitana

Por: gasometro

ago 11 2009

Categoria: Centro

Abertura:f/2
Comprimento Focal:7mm
Disparador:1/8 seg

Catedral Metropolitana de Porto Alegre - Foto: Cesar Cardia

Em 3 de maio de 1920 foram iniciadas as obras de terraplanagem e demolição da antiga igreja Matriz, e a pedra fundamental do novo templo foi lançada a 7 de agosto de 1921, sendo a cripta inaugurada em 20 de março de 1929, para onde foram transferidos os serviços religiosos, possibilitando a demolição final da velha construção e a continuidade das novas obras.

Somente cerca de vinte anos depois é que as celebrações puderam deixar a cripta e serem realizadas na nave da catedral, já sob administração de Dom Vicente Scherer. A completude das torres levou outros vinte anos, inauguradas em 1971, sendo que a cúpula foi terminada no ano seguinte. Foi apenas em 1986, já no arcebispado de Dom Cláudio Colling, que a catedral pôde ser consagrada e dada como concluída, embora recentemente a cúpula tenha sido reformada, recebendo uma cobertura de bronze.

Conservando no desenho geral da fachada a simplicidade e firmeza das linhas que caracterizam a arte da primeira Renascença, foi criado um movimento mais dinâmico pelo contraste dos três corpos salientes (frontispício e torres) com intervalos na altura dos terraços sobre as naves laterais, e dando-lhe também profundidade e claro-escuro, graças aos grandes vãos do pórtico. A cúpula possui 65 metros de altura do nível da praça, com um diâmetro interno de quase 18 metros.

Na fachada se destacam os mosaicos do frontispício, executados pela Academia de Mosaicos do Vaticano, representando a história da Igreja no estado. Mostram a Padroeira Maria, a Mãe de Deus, ao centro, ladeada por São Francisco de Assis, o antigo orago, e os mártires jesuítas Roque Gonzales de Santa Cruz, Afonso Rodrigues e Juan del Castillo. Do outro lado estão São Pedro, Padroeiro do Rio Grande do Sul, o Papa Pio IX, criador da diocese, e Santa Teresa de Ávila, protetora da fortaleza que existia no extremo sul do estado. Painéis laterais representam as cenas da Anunciação e da Crucificação, tendo o Pantocrator acima, no tímpano.

O interior possui uma notável majestade e elegância de proporções, e sua arquitetura forma atraentes padrões geométricos, intensificados pelos efeitos de iluminação interna. O altar-mor possui uma bela estátua barroca da Virgem com o Menino Jesus aos braços, entronizada contra uma pintura mural de Aldo Locatelli. Nos braços do cruzeiro foram instalados dois enormes vitrais, um representando São Miguel, e outro Santa Teresa.

A diferença de nível entre a Praça Marechal Deodoro e o pátio superior do antigo seminário, que fica atrás, sendo cerca de oito metros, permitiu a construção de uma grande cripta. Idealizando sua parte externa, Giovenale utilizou elementos decorativos arcaicos, semelhantes a alguns empregados nas antigas edificações dos incas do Peru, revestindo as paredes com enormes pedras de granito rústico e coroando o conjunto com oito gigantescas carrancas de índios.

Fonte: Wikipédia

Anúncios